sexta-feira, 28 de abril de 2017

EU NUNCA FALEI QUE GOSTO DE VOCÊ


E tudo começou assim... “Posso te adicionar à minha rede de amigos?”
Sem dúvida, ele nunca falou que gostava dela, talvez do jeito comum, trivial, mas falou em forma de poemas e canções. Ela sim, usou a forma mais comum para expressar aquilo que estava sentindo: as expressões “Gosto de Você”, “Amo Você”.
Tomado por um ódio incontrolável, por ela tê-lo excluído de seus contatos, ele diz: “Eu nunca falei que gosto de você”.
Ah, o amor é mesmo tão contraditório, ama-se e odeia-se em frações de segundos. Na verdade, o amor é assim contraditório, ou as pessoas é que assim o são?
Por que será que, no momento em que estamos mergulhados e invadidos por este sentimento, nos sentimos tão fortes e, ao mesmo tempo, tão vulneráveis? Por que esse sentimento é tão construtivo e tão poderoso, porém, somos capazes de destruir nosso objeto de amor, simplesmente, com a força das palavras? O quão narcísico ficamos no momento em que estamos nessa relação com o Outro, ou nos sujeitamos a permanecer submissos aos desejos e devaneios desse suposto amor?
Jacques-Alain Miller em entrevista para a Psychologies Magazine, diz que amar verdadeiramente alguém é acreditar que, ao amá-lo, se alcançará uma verdade sobre si. Afirma que, para amar, é necessário confessar sua falta e reconhecer que se tem necessidade do outro, que ele lhe falta. Os que crêem ser completos sozinhos, ou querem ser, não sabem amar.
O que buscamos no Outro quando nos sentimos apaixonados? Uma resposta para as nossas faltas, angústias e dores existências? O desejo incansável de nos sentirmos desejados por esse Outro?
Buscamos, buscamos, e, ao mesmo tempo, não sabemos ao certo o que buscamos...

2 comentários:

  1. Você pode me adicionar ???

    ResponderExcluir
  2. Um simples: cuida te, já é o suficiente pra dizer: eu gosto de você, eu me preocupo com você, eu te amo!

    ResponderExcluir